Tecidos frescos para um Verão exigente

por Gosia Krogulec 

Concordas que está um calor insuportável? Este post é para ti! Deparas-te a sonhar acordada com o rodar das pás de uma ventoínha? Este post é para ti! Sorris de felicidade quando finalmente passa uma brisa nestes dias de brazão? Este post é para ti!

Sempre nesta altura do ano, começam a surgir muitas perguntas das mães que querem fazer babywearing: como escolher um pano fresco? Será que o mei-tai X ou a mochila ergonómica Y são frescos? E será que são frescos o suficiente?

Como o tema está muito actual de novo, vamos falar de tecidos frescos.

tecidos-frescos_GosiaKrogulec-ARRFoto por Gosia Krogulec, All Rights Reserved

 

Aquecedor? Confirmado! Ar Condicionado? Naaah…

Lembram-se do aconchego que é ter um bebé quentinho contra nós durante o Inverno? Agora temos um sol radiante, mas traz o reverso da medalha e temos que aprender a “dar a volta”.

Em primeiro lugar, deve ser dito que nenhum tecido tem ar condicionado instalado, e não devemos estar com a expectativa que algum porta-bebé nos arrefeça num dia quente. Vamos ter sempre calor, com bebé ou sem bebé, e claro que com o bebé vamos ter ainda mais.

A solução é optar por materiais que ajudem a circulação do ar e da humidade, em vez de os reter perto do nosso corpo.

 

Uma camada basta

O primeiro truque é evitar os porta-bebés e as amarrações que nos vão por a “cozer”.

Em princípio, panos elásticos são todos um bocado para o quente. Isto porque o tricotado da malha sempre estica, e precisa de ser mais fechado e mais denso para dar alguma sustentação ao bebé. O resultado é um material normalmente espesso e pouco poroso que não permite muita circulação de ar. Além disso, com panos elásticos usa-se 3 camadas de pano em cima do bebé… Com temperaturas de trinta e tal graus, imaginem o calor que isto faz.

tecidos-frescos-collageFotos por Gosia Krogulec, All Rights Reserved

Mochilas também são normalmente mais quentes, porque têm alças e cinto acolchoados, e os preenchimentos retêm o calor e cortam muito a circulação de ar. Tecidos serão sempre mais frescos que malha. Mas como há imensa variedade de tecidos, alguns são mais frescos que outros.

 

You’re hot and you’re cold

A “temperatura” do tecido depende da sua capacidade de retenção de ar e de humidade; porque o “calor” que sentimos não vem do tecido, mas sim do nosso próprio corpo. Um tecido que retem esse calor vai dar uma sensação de ser quente, um tecido fresco vai deixá-lo sair.

Fibras fortes como o linho ou a seda normalmente permitem fazer um tecido fino que continua resistente, por isso são uma boa escolha para o calor. O bambu é suave e muito fresquinho, mas em alguns tecidos pode ser um pouco escorregadio com miúdos mais pesados.

Há quem goste de usar lã no verão, como o Nuno, que sabia 4 coisas sobre babywearing e descobriu e adorou esta 5ª: fibras de lã merino utilizadas em panos para babywearing têm a capacidade de se alisar em temperaturas altas e de aumentar o volume em temperaturas baixas. Isso faz de merino um material termoregulador – fresco no Verão, quente no Inverno.

Porta-bebés como o sling de argolas ou o pano utilizado com um porte de uma camada só são as opções mais frescas. Mei-tai ou Podaegi também podem ser boas escolhas, porque há sempre espaços abertos nas laterais que podem servir como uma espécie de ventilação.

E claro, se for feito de tecido fresquinho, a sua utilização no calor vai ser mais agradável  🙂

 

E vai ser fresco o suficiente?

Tecidos que deixam o ar circular normalmente têm pelo menos uma das seguintes características:

Panos-frescos-wordcloud

A minha preferência

Além dos tecidos, há ainda muitas dicas que podemos usar para sobreviver ao babywearing no Verão e certamente até conhecem outros truques.

Mas a sensação da frescura dos tecidos é sempre muito relativa. Os meus materiais preferidos para o calor são misturas de seda, linho ou bamboo. Lã merino no meu corpo não é lá muito termoreguladora e faz-me imenso calor…

E vocês, o quê mais gostam de usar nos dias quentes?

 

Referências

  • Editorial por Nuno César Nunes 
  • Foto do topo da página, My “new” old fan, por Lisa Tallana, CC BY-NC