5 fatores a considerar antes de comprar o primeiro porta-bebé

Escolher o teu primeiro porta-bebé não é uma tarefa fácil. A oferta é tão grande que rapidamente ficamos confusos. Há quem compre e fique logo bem servida, o que é uma sorte! Mas também é raro. Da minha experiência a escolher o meu primeiro porta-bebé e dos vários workshops que fiz, há tantas escolhas que acertar à primeira é quase uma lotaria.

Pano tecido ou elástico? De que tamanho? Que tipo de tecido? Mochila ergonómica? De que marca? Com alças a cruzar ou não? Sling de argolas ou sem argolas? As opções são tão variadas que é possível que te sintas baralhada a ponto de não conseguires tomar uma decisão. Claro que experimentar as várias opções é o ideal, mas isto não é sempre viável. Podes acabar por escolher um, mas se não for o porta-bebé adequado à utilização que procuras e à tua dinâmica familiar, podes até desistir de usar por não gostares do que compraste.

É a pensar nisto que resolvi escrever este post. Como sabemos o que devemos considerar durante esta escolha? Quais as características que realmente importam para a decisão? Fazer as perguntas certas vai-te encaminhar para uma compra acertada e útil para a tua família. Neste post vou referir cinco tipos dos porta-bebés que acho que são os mais populares em Portugal: mochila ergonómica com fivela, pano elástico, pano de tecido, sling de argolas e mei tai.


1. Conveniência 

Primeiro que tudo e provavelmente o mais importante é perceberes quanto tempo tens para te dedicares a aprender.

Cada porta-bebé tem uma curva de aprendizagem diferente, nalguns mais curta, noutros mais longa:

  • A mochila ergonómica é a mais rápida. Colocas a primeira vez, fechas as fivelas, ajustas as alças e o cinto, repetes 3 ou 4 vezes com o bebé e já está;
  • O mei tai ou o sling de argolas requerem um pouco mais de treino até conseguires fazer uma boa amarração, mas passado 1 semana já o consegues fazer;
  • Os panos de tecido e os panos elásticos exigem mais dedicação até fazeres uma boa amarração, segura e confortável. Por outro lado, permitem diversas amarrações e diversas posições para o bebé, o que também e bom para poupar os rins, as coxas e os joelhos da mamã.

Então e passada a aprendizagem inicial, quanto tempo é que preciso para colocar o porta-bebé e o bebé?

Isto também é importante na escolha porque é algo que vais fazer diariamente e várias vezes por dia:

  • Os mais rápidos são a mochila com fivelas e o sling de argolas porque podem ser pré-ajustados ou pré-amarrados e consegues facilmente pô-los em menos de um minuto;
  • Mei tai e pano elástico precisam de mais tempo para colocar e ajustar mas não muito mais. Dois ou três minutos e está pronto;
  • Pano tecido sempre exigem mais ajustes por isso precisamos de contar com 4-5 minutos para fazer uma boa amarração.


2. Razão de utilização

BabyCarry-WeronikaAnastazjaBortko-ARR
Foto por Weronika Anastazja Bortko, All Rights Reserved

A segunda pergunta a fazer é onde e quanto tempo por dia queres usar o teu porta-bebé. O porta-bebé deve ser escolhido em função da utilização que irás dar:

  • Curta duração. Precisas de alguma coisa só para transportar o teu bebé do carro para casa ou para praia, uns 15 a 30 minutos de cada vez? Então o melhor pode ser a mochila com fivelas, mei tai ou sling de argolas;
  • Longa duração. Queres comprar um artigo que vai servir para teres o bebé apertadinho junto a ti nas sestas? O mais confortável para ti e para o bebé é provavelmente o pano tecido ou mei tai. Estes também são muito bons para caminhadas mais longas, onde as mochilas com fivelas também vão servir bem. Qualquer um destes permite uma amarração nas costas que também torna mais fácil para o bebé ver o que acontece a sua volta.


3. Longevidade

Também muito importante é a idade do nosso bebé e a até que idade o vamos querer carregar apertadinho:

  • Precisas de alguma coisa só para o teu recém nascido? Uma boa escolha é o pano elástico ou o sling de argolas;
  • Tens um toddler teimoso que não gosta do carrinho de bebé mas durante as caminhadas pede colo? Então a mochila com fivelas ou mei tai podem ser boa opção. É fácil guardar na carteira, rápido para por e para tirar. Porque não um sling de argolas? Porque faz uma amarração assimétrica e com as crianças pesadotas deixa de ser confortável. E porque não um pano elástico? Porque com peso do bebé o pano cede e não dá bom suporte nem às tuas costas tuas nem às do bebé;
  • Queres alguma coisa que vai vós servir desde nascimento do bebé até quando já não quer ser carregado? O pano de tecido é bom para recém-nascidos é óptimo para toddlers.



4. Estética

Estetica-AgniszkaStandera-ARR
Foto por Agniszka Standera, All Rights Reserved

Talvez não seja a primeira coisa em que pensamos antes de comprar um porta-bebé, mas a verdade é que acabamos por usar este artigo muitas vezes por dia e vale a pena de dedicar um bocadinho de atenção também à estética:

  • Os panos elásticos têm o aspecto mais simples, cores lisas e calmos, sem padrões;
  • As mochilas com fivelas e mei tai normalmente têm desenhos mais elaborados e maior variedade de padrões e cores;
  • Os slings de argolas e panos tecidos são os porta-bebés que têm mais opções dos desenhos, com cores lisas, listas, padrões variados ou mesmo com desenhos elaborados.



5. Preço

PriceTag-DaMongMan-CC-BY
Foto por DaMongMan, CC BY

O último mas não o menos importante é o valor que estás disposta a gastar. Um bom porta-bebé pode ser dispendioso, mas podes optar por um artigo novo ou procurar um usado:

  • O sling de argolas é a opção mais barata, podes encontrar um novo por 35-45 euros e usado por cerca de 25 euros;
  • O pano elástico, o pano de tecido ou mei tai são mais dispendiosos. Para um porta-bebé novo os preços começam a partir dos 50 euros, mas podes também encontrar um usado por cerca de 30-40 euros;
  • A mochila com fivelas raramente se encontra por menos do que 60 euros nova, para ser de boa qualidade. O preço usada normalmente não varia muito deste valor.

 

Em resumo, a minha sugestão é que não compres um porta-bebé só porque te foi recomendado, ou porque alguém te diz que é bom ou porque o viste e te pareceu útil. O que é mais importante para ti? Conveniência, tipo de utilização, longevidade, estética ou o preço? Começa por fazer esta questão e depois escolhe o porta-bebé que tenha as características que melhor servem o que necessitas.

Se já compraste mas não te parece ser o ideal, também não há problema. As boas notícias é que podes sempre trocá-lo ou vendê-lo e comprar um mais adequado. Uma das maravilhas dos porta-bebés, é que mesmo usados, quase não desvalorizam, mas mais sobre isto numa outra ocasião.

E vocês, qual a vossa experiência? Partilhem as vossas ideias e opiniões nos comentários.

 

Comentários

comentou